Close
Pré-agendar consulta

Agende sua consulta: 16 3285.1816

Oligoterapia

Oligoterapia e Terapia Floral Quântica

A Oligoterapia se originou das pesquisas Gabriel Bertrand e de Jacckes Menetriereë, iniciadas no final do Século XIX e nas primeiras décadas do século XX. Gabriel Bertrand, do Instituto Pasteur de Paris, demonstrou a importância dos minerais, que encontrados em ínfimas quantidades em organismos vivos; animais e plantas, tinham papel fundamental como biocatalisadores das reações enzimáticas. Após os estudos, os cientistas apresentaram em um Congresso Científico em 1912, a pesquisa do uso desses minerais e chamaram de “Oligoelementos”.

Visorium - Oligoterapia

As reações bioquímicas de nosso organismo podem ser bloqueadas por diversos fatores, tais como: poluição; stress; ritmo de vida; problemas psíquicos; desequilíbrios alimentares; ruídos; emoções, sendo que este bloqueio funcional, com o tempo, provoca problemas de saúde, incluindo da pele e da silhueta (envelhecimento cutâneo precoce, acne, celulite, etc.).

Na vida moderna, com hábitos sedentários e alimentação industrializada, favorece o desenvolvimento de carências de oligoelementos no organismo e por consequência pode ocorrer bloqueios ou deficiências das funções enzimáticas do organismo. A Oligoterapia visa restabelecer esta função afetada, fazendo com que o próprio organismo se equilibre de forma natural.

A Oligoterapia é o uso dos Oligoelementos com fins terapêuticos, onde agem como catalisadores das reações enzimáticas, e participam influenciando na velocidade de uma reação bioquímicas. A atividade nas células favorece a regulação das trocas metabólicas, as quais o organismo é capaz de manter-se em equilíbrio.

A Terapia Floral Frequencial ou Oligoterapia não apresenta contra indicações ou efeitos colaterais e o principal objetivo é reforçar a vitalidade das células sem efeitos tóxicos, proporcionando o reequilíbrio natural do organismo.

 

O que são os Oligoelementos?

São suplementos catalisadores das reações bioquímicas orgânicas, produzidos por laboratórios especializados. Consistem em uma substância com baixíssima concentração de minerais que são usados de forma específica para cada desequilíbrio celular. Os Oligoelementos atuam da seguinte forma:

Regulando o terreno biológico;
Ativando a barreira intermentes;
Promovendo o estímulo magneto-elétrico;
Aumentando a bioreceptividade celular;
Repondo as informações de matriz extracelular (oceano primitivo);
Promovendo a auto-cura.

Jacques Menétriér desenvolveu a Tese das Diáteses em 1932, comprovando que o uso clínico dos Oligoelementos corrige o terreno biológico dos pacientes, impedindo o aparecimento de doenças em sua forma lesional. Foi o idealizador da chamada “Terapia das Funções ou Oligoterapia”, com a proposta inovadora na época, de tratar o paciente num estado entre a saúde e a doença, ou seja, no nível funcional.

 

Terapia Floral Frequencial

Consiste no uso de frequências (energia) que são inseridas numa substância (floral), para atuar da mesma forma que os oligoelementos, com a vantagem de proporcionar uma maior flexibilidade terapêutica, uma vez que é possível inserir inúmeras frequência na substância do floral. O Floral tem objetivo apenas de fixar a frequência selecionada, sendo a “frequência” responsável pelos resultados terapêuticos.

Visorium - Oligoterapia

Além de ser possível utilizar as mesmas frequências dos minerais usados para produzir os oligoelementos, os laboratórios especializados desenvolveram frequências de órgãos humanos, chamados de bio-modulares e também a frequência de plantas medicinais e suplementos alimentares diversos.

Na verdade a terapia frequencial coloca a serviço do terapeuta uma gama extensa para que seja efetuado o tratamento do terreno biológico do interagente.

 

Como funciona o tratamento?

Através de uma avaliação personalizada e individualizada do interagente, o terapeuta correlaciona os sintomas e comportamentos associando com a carência de determinadas propriedades terapêuticas e através da Iridologia, o iridólogo identifica qual a diátese do paciente (terreno biológico), e assim se inicia o processo de tratamento.

Dentro da Oligoterapia e terapia floral quântica, uma das várias abordagens que se usada é a identificação do terreno biológico de cada interagente. Esse tratamento serve de suporte de fundo terapêutico e fornece energia e catalisadores para o organismo se equilibrar naturalmente. O Terreno biológico varia de indivíduo para indivíduo e com isso o iridólogo pode recomendar por exemplo os seguintes florais frequenciais de acordo com o terreno biológico:

Diátese I Alérgico ou Artrítico Alérgica: Há aceleração nas trocas orgânicas, com respostas muito rápidas, sempre em excesso. São pacientes geralmente crianças ou adultos jovens, com um quadro alérgico presente e/ou sinais inflamatórios articulares, são hiperativos, principalmente a noite, com dificuldade de conciliar o sono, e geralmente pela manhã, tem dificuldade de despertar. Irritáveis, dinâmicos, otimistas, hiperreativos e hiperemotivos, com um cansaço de base mascarado por uma constante movimentação e busca de atividades. O tratamento desta diátese requer a recomendação do oligoelemento Manganês (Mn);

Diátese II Hipostênico ou Artro Infecciosa: há diminuição nas trocas celulares. As respostas são lentas e de intensidade insuficiente, sintomatologia hiporreativa, tendência a infecções e fatigabilidade anormais, progressiva com o decorrer do dia. Se crianças, apresentam déficit pondero-estatural, dificuldade de atenção e concentração, há a tendência a infecções repetitivas (gripes, ORL, cutâneas por exemplo). O tratamento desta diátese requer a recomendação do complexo oligoterápico manganês-cobre (Mn-Cu);

Diátese III Distônico: Há uma desadaptação da resposta celular. É a Diátese da segunda metade da vida, da maturidade. Os pacientes sofrem de sintomas distônicos, tipo neurovegetativos, evoluindo frequentemente para quadro de Ansiedade crônica. As patologias iniciam sua passagem do funcional para o lesional. Temos como exemplo: alterações endócrinas e sinais e sintomas da menopausa, artrose, transtornos circulatórios periféricos e centrais, dislipidemias, manifestações distônicas epigástricas, estados espasmofílicos, perdas de memória, alergias crônicas etc.. O tratamento desta diátese requer a recomendação do complexo oligoterápico manganês-cobalto (mn-Co);

Diátese IV Anergico: As trocas celulares estão muito diminuídas, quase nulas, há a insuficiência global de reações autodefensivas, e impotência terapêutica a qualquer tratamento. Os sintomas variam desde anergias transitórias (pós virais, choques morais, pós cirúrgicas ou pós traumáticas) até quadros degenerativos, lesionais e morte. Os sintomas principais são: fadiga global, que não melhora por repouso, fenômenos depressivos, diminuição das faculdades intelectuais, infecções de evolução rápida, severas e recidivantes, com falta de resposta à antibioticoterapia, senescência global, rapidamente evolutiva, câncer e todas degenerações celulares. O tratamento desta diátese requer a recomendação de um complexo oligoterápico (cobre-ouro-prata). As Diáteses primárias (I e II) e secundárias (III e IV) podem apresentar-se imbricadas ou isoladas.